Fiquei mais de um mês sem ligar pra minha mãe. O pior de tudo é que nem percebi.


Um dia, se eu tiver tempo e oportunidade, ainda vou escrever um livro sobre isso. No que tange questões familiares, eu nunca me identifiquei 100% com nenhuma família representada na ficção. Temos as famílias felizes, dessas que tem uns conflitos no meio, mas no fim das contas todo mundo coloca as diferenças de lado e se ajuda quando precisa. Tem aquelas pessoas que vivem pela família. Tem a irmã que se voluntaria como tributo pela outra. Tem os pais que se sacrificam pelos filhos. Lógico que o outro lado da moeda também aparece bastante nos livros e filmes: as famílias completamente despedaçadas, abusivas, disfuncionais. Sempre tem alguém que ama demais, sempre tem gente que se odeia até a morte. É um espectro até bem abrangente, mas não consigo me ver nele.


Maçãs penduradas em galhos de árvore


Não tenho nenhum carinho especial pela minha genealogia, talvez porque eu seja um fruto que caiu um pouco longe demais da árvore. Acho o conceito de "laço de sangue" uma bobagem. Amo minha mãe porque ela me criou, não porque ela me pariu. Sigo esse mesmo raciocínio com os demais parentes. Uma tia que nunca teve participação na minha vida é apenas uma conhecida. Dos meus primos distantes eu mal sei o nome. Às vezes a gente se aproxima, às vezes a gente se afasta e, pra mim, isso é natural. É o que acontece com todas as minhas amizades: um amigo com o qual eu não tenho mais assunto, que a gente nunca se procura, nunca se vê, vira uma lembrança. Os parentes que esperam de mim alguma coisa só por sermos da mesma família estão fadados à frustração. EU COMECEI ESSE POST DIZENDO QUE ESQUECI DA MINHA MÃE, pelo amor de Deus.


E, gente, eu realmente amo a minha mãe. Quando vou visitar, fico grudado nela. Adoro o carinho que ela me dá, amo abraçar. Ela tem um riso facílimo que me deixa muito feliz. Minhas irmãs, meus primos e tias, minhas crianças, eu não tenho nada contra ninguém. Nenhuma briga mal resolvida, nenhum ódio mortal básico por causa das eleições 2018, se algum dia alguém me tratou mal eu já esqueci. A gente se dá bem, de vez em quando a gente senta pra rir e conversar, passo horas nos jogos de tabuleiro com meus sobrinhos... Então, assim, é um mistério eu não sentir saudades de ninguém. O que eu tenho pela minha família é gratidão, eu acho. Fui amado em todas as linguagens do amor na infância e adolescência. Minha mãe fez de um tudo pra me manter numa escola boa, sempre incentivou meus estudos. Se hoje eu tenho um diploma que ela nunca teve, um emprego estável que ela também nunca alcançou, um salário que dá para sustentar a mim e a ela, foi tanto mérito dela quanto meu. Mais da metade do meu dinheiro vai para minha mãe e, se eu pudesse viver com menos pra ela viver com mais, eu viveria. Ela merece. Eu gosto de todos os demais, mas mais de uma vez pensei que, se minha mãe morresse, não sei o que me faria ir até eles novamente sem ela por lá.


Já conversei com amigos sobre isso, embora talvez devesse levar para um psicólogo, sou muito curioso em saber por que as pessoas amam suas famílias. Talvez você que me lê nunca tenha pensado sobre isso, para algumas pessoas soa como "Por que você gosta de sorrir?", mas encontrei algumas respostas. "Porque eles são meu porto seguro". Eu sou muito bom em resolver meus problemas sozinho e, quando preciso de colo, é meu namorado quem me dá. Quando me imagino triste e devastado, não penso na casa da minha mãe como lugar de curar minhas feridas. Nossa, ia ter que responder tantas perguntas! Eu prefiro até ficar chorando minhas pitangas sem ninguém. "Porque meus melhores amigos estão lá". Pois os meus estão todos do lado de fora. Ninguém da minha família é meu amigo íntimo. Meus segredos, minhas aflições e planos eu conto para outras pessoas. Eu jogo no Twitter, mas não compartilho com parente. "Porque eles me sustentam". Já tem uns anos que eu sou financeiramente independente, inclusive tem gente na minha família me devendo horrores.


A sensação que eu tenho, e eu evito dizer isso em voz alta, é que eu não preciso da minha família para nada. Eles poderiam sumir que minha vida não iria piorar. Aliás, era capaz da minha vida melhorar. (muito mais dinheiro, menos telefonemas que não gosto de dar, menos eventos que não gosto de ir, menos pessoas pra eu me preocupar...). Não que eu queira que eles MORRAM. Se todo mundo falecer num acidente trágico de avião, por exemplo, eu vou sofrer largado, mas digo sumir mesmo, pluft, como se nunca tivessem existido. Um cenário completamente irreal, eu sei, mas penso demais nisso. Tem dias que eu quase quero que eles sumam.


É bem fora do meu personagem revelar aqui um pensamento feio desses, mas o nome do blog é "Não sei lidar", então achei condizente. Vira e mexe me debato com esse conflito, já fui ao Google várias vezes ver se é sintoma de psicopatia (não é). Eu nem fui criado por lobos nem nada. Pensar assim não chega a me fazer mal, além de umas leves crises de consciência, só fico constrangidíssimo perto de gente que liga para a mãe todos os dias sem falta.




Revelei demais? Se diferente de mim você sabe não se expor gratuitamente na internet, mas gostaria de conversar sobre o assunto, pode me mandar um e-mail! O formulário de contato do blog funcionava em 2019, fica aí o suspense se ainda funciona, mas tente!

Se você já perdeu as rédeas da sua vida na internet, então deixe um comentário aqui mesmo. Você ama sua família? Consegue me dizer o porquê?