Uma amiga estava me contando sobre uma rejeição que sofreu. Ela chegou toda animada num grupo de pessoas pronta para fazer novas amizades, se enturmar e tal, mas o resultado foi que as pessoas deram um chega-pra-lá nela e ela ficou se sentindo um lixo depois disso. Fiquei meio besta com ela me contando isso, porque ela falava como se fosse um fato ela ser chata, insuportável e difícil de lidar.

Essa minha amiga é super legal e um amor de pessoa. Mas ela continuou falando:

- Eu sei que eu sou muito chata, eu não deveria falar certas coisas, às vezes eu insisto demais, tem opiniões que é melhor não contradizer. Eu falo alto, né? Tem gente que não gosta. E esse meu jeito maluquinho. Putz, eu sou insuportável de verdade, nunca fui de fazer muitos amigos e, né, tem motivo...

Cara, as pessoas são tão diferentes. Falei uma coisa pra ela que a fez rir.

- Algumas pessoas te rejeitam e você fica revoltada com você mesma. Quando alguém me rejeita, eu fico revoltado COM A PESSOA. Eu sou legal pra caramba, eu hein, vá rejeitar teu pai.





Não é questão de sempre se achar o bonzão do pedaço, eu sei reconhecer meus próprios erros e conserto sempre que posso. Às vezes, duas pessoas simplesmente não se dão e nem é um problema com nenhuma das duas. Eu já me afastei de pessoas que gosto, porque, apesar disso, a convivência não era boa. Nem sempre o problema está na gente. É questão de ouvir Liability e aprender com a Lorde.

Mas o que eu fiquei pensando nisso tudo é que, cara, o amor faz tanta diferença. Quer dizer, não apenas o amor, mas o fato de uma pessoa se sentir amada. Tem gente que nos ama, mas a gente nem sente. A pessoa demonstra numa linguagem que a gente não compreende. Mas, quando a gente entende, é só sucesso. Molda toda nossa personalidade.

Minha amiga foi me contando que sempre se sentiu assim rejeitada. Passou várias situações tensas com o pai, acha a família dela horrível... Em contrapartida, eu sempre me senti amado. SEMPRE. Não por todo mundo o tempo todo, mas sempre existiu uma base constante de amor na minha vida, sempre tive apoio de alguém, sempre ouvi o quanto eu sou querido, importante e capaz. Não é à toa que eu me abalo menos com rejeições.

Eu tenho pra mim que jamais serei pai, mas nunca digas um bebê não tereis, pois vai que tereis. Só sei que, se um dia eu tiver um, vou fazer de tudo para demonstrar amor de todas as formas. Se você é pai, mãe, tio, tia, avó, avô etc, pelo amor de Deus, faz seu papel direito e deixa essa criança se sentindo amada. Vai fazer toda diferença lá na frente e o mundo já tem gente gente quebrada demais.