Existem poucas coisas que eu aprendo ou descubro e realmente levo pra vida toda, isso porque minha memória é bem ruim. Mas essa teoria das 5 linguagens do amor eu guardei pra sempre e uso todo dia. Sério, quando eu bati o olho nisso e entendi como funcionava, ficou mais fácil compreender as pessoas e até mediar conflitos. A gente briga quando não precisa, gente. Também não sou de acreditar em tudo cegamente, mas consigo ver as 5 linguagens do amor agindo todos os dias.



Chega a ser meio óbvio e não sei como a gente não percebeu antes, mas o conceito de amor é uma coisa que varia muito e de pessoa pra pessoa. Cada pessoa foi criada de uma forma, temos nossas particularidades, gostos diferentes, uns são introvertidos, outros são extrovertidos... Então por que entenderíamos o amor da mesma forma? O problema e a solução meio que vem disso.

As pessoas não são iguais. Eu posso me sentir muito amado quando alguém age de tal forma comigo, ao passo que você pode não dar a mínima para a mesma atitude e até se sentir ofendido. E vice-versa! Aprendemos a demonstrar amor da mesma forma que gostamos de receber, mas nem sempre dá certo. Não estamos nos relacionando com nós mesmos. E isso vale pra tudo: relacionamentos amorosos, amizade, pais e filhos, ambiente de trabalho, qualquer coisa.

***

Um caso clássico é aquele do pai que não deixa faltar nada em casa, que enche os filhos de presentes e tal, mas não passa tempo com as crianças, não é carinhosos e tal. Acontece em todo filme adolescente que tem uma família rica. As crianças ficam se sentindo pouco amadas e quem assiste até concorda que ama mais o trabalho que os próprios filhos. Engraçado que, se a gente assistisse o filme pela visão do pai, as crianças iam parecer ingratas, egoístas e exigentes. Aposto.

Outro caso clássico e que você provavelmente conhece é o da pessoa romântica que namora com uma não tão romântica assim. Chega aniversário de namoro, uma compra balões em formato de coração, presente, escreve carta, declaração no Facebook, faz surpresa romântica e o escambau, mas a outra... A outra nem curte a postagem no Facebook.

Às vezes, está faltando amor mesmo, mas nem sempre. As pessoas estão demonstrando amor, mas de um jeito que quem recebe não entende como tal. Aí elas não se entendem mesmo e o que era para ser um bom relacionamento acaba se transformando numa frustração sem fim.

***

TÁ, MAS QUAIS SÃO AS CINCO LINGUAGENS?


1) CONTATO FÍSICO:  É facinho de perceber. Tem gente que simplesmente PEGA na gente. A pessoa gosta de beijo, de abraço, de dar as mãos, de encostar. Põe a mão no nosso braço quando quer nossa atenção, puxa a gente pra mais perto quando quer proteger, faz massagem no nosso pescoço do nada, cafuné, deita na gente quando a gente não espera...



Tem gente que é assim e gente que simplesmente NÃO É. Tem pessoa que, se a gente for chegar pra abraçar, a pessoa trava. Eu mesmo fico pouco confortável com gente encostando em mim se não tenho intimidade. Tem gente que não gosta de ser tocada de forma alguma. Então você que é fã de contato físico e se sente rejeitado por aquela pessoa que te abraça meio seca, CALMA, não significa que ela não te ama. Ela só não fala essa linguagem.



2) ATOS DE SERVIÇO: É aquela demonstração de amor quando a pessoa te ajuda em alguma coisa, quando ela te serve. É o exemplo do pai ou mãe que passa pouco tempo com os filhos por conta do trabalho. A pessoa pode não ser carinhosa, mas ela está se esforçando a beça pra sustentar os filhos porque os ama.



Preparar uma refeição, ajudar a pessoa a resolver um problema difícil, oferecer ajuda quando alguém pede, dividir uma tarefa, notar que a pessoa está cansada e fazer de tudo para deixá-la mais confortável e descansada e apoiar os projetos das pessoas são exemplos de atos de serviço. Tem gente que se sente no céu quando recebe ajuda, mesmo que numa coisa bem simples. Um café que você pega para um colega de trabalho atarefado seu pode fazer muita diferença para ele se a linguagem principal dele for Atos de Serviço.


3) TEMPO DE QUALIDADE: É passar tempo junto. Eu sou muito passional com tempo de qualidade porque total é minha linguagem principal. Antes de verificar, eu já sabia. Sair com as pessoas, sentar pra conversar, passear, dividir tarefas, ir a algum lugar fazer alguma coisa, assistir um filme juntos... É uma linguagem bem democrática. Não importa muito o que exatamente será feito, mas tempo de qualidade é sobre compartilhar algum momento, mesmo que nada de especial esteja acontecendo.



Uma coisa que eu aprendi sobre essa linguagem é que não é necessariamente sobre estar junto fisicamente. Pode ser virtualmente também. Falando no telefone, passando tempo digitando groselha no whatsapp, num grupo de e-mails, redes sociais... Eu acho que aquilo de: Esta pessoa está usando o tempo dela para interagir comigo. Isso é amor, gente!


4) PALAVRAS DE AFIRMAÇÃO: Elogios, incentivos verbais, declarações de amor, textão no Facebook falando como a amizade de vocês é linda, seus colegas de trabalho dizendo que você fez um excelente trabalho... Também é amor!



Como todas as outras, tem gente que AMA receber esse tipo de elogio, mas tem gente que não dá a mínima. Tem aquela pessoa que nunca diz "eu te amo" porque, pra ela, simplesmente não significa nada. Mas outra pessoa pode ouvir um "eu te amo" e significar o mundo pra ela.


5) PRESENTES: Talvez a mais injustiçada de todas as linguagens, Dar e Receber Presentes também é uma forma de amar. Não pode confundir com interesse, gente. Aqui se enquadram as pessoas que gostam de saber que alguém pensou nelas para escolher um presente. Não precisa ser nada caro, pode ser uma bobeirinha, mas é o fato do presente ter algum significado ou ter sido escolhido porque a pessoa te conhece e sabia que você ia gostar.

Quando você dá um presente nada a ver pra alguém que ama com Presentes

***

A gente geralmente pensa que todo mundo morre de amores por uma declaração de amor cheia de palavras bonitas, mas, gente, talvez não. Pode ser uma pessoa que a vida toda acreditou nas palavras dos outros e levou uma rasteira depois. Não dá pra querer que aquela sua namorada que cresceu numa família onde as pessoas não se abracem com frequência chegue abraçando todo mundo da sua família.

Não é você querer agradar alguém do jeito que você se sente agradado, mas é entender o jeito que a outra pessoa gosta, mesmo que não faça muito sentido pra você. E é legal entender também como a pessoa demonstra amor, porque pode parecer que ela não se importa com você quando, na verdade, ela te ama.

Doido, né? Mas gente é assim.

O autor da teoria é o Gary Chapman e vocês podem descobrir mais sobre isso no site dele (em inglês) e até fazer um teste para identificar sua linguagem do amor principal, caso você não tenha certeza lendo as descrições.

AGORA ESPALHEM AMOR. Obrigado.