Perrengue no aeroporto na parte 1, rolê em São Paulo na parte 2, mas foi o último dia que a gente reservou para finalmente ir de fato em busca da Tirolesa Voadora.

***

32) Deitei na cama destruído e levantei pronto para honrar Glória Maria. Realmente vamos voar!

33) Tinha uma meia dúzia de pessoas que eu gostaria de ter encontrado em SP, mas o dia anterior passou voando. Eu fui andando, andando, andando e, quando vi, o dia já tinha acabado. E por mim eu dormiria às 20h. DESCULPA, GENTE.

34) Eu tô meio bestinha com esse negócio de alugar um carro. Tipo: Nós alugamos um carro! Nós! Pessoas confiaram um carro a nós! Podemos mover um carro por SP! COMO ASSIM??? Tô me sentindo um adulto muito descolado num carro em busca de uma cidadezinha nos cafundós de São Paulo. Ok que confiaram o carro ao Jonas, que é o único que sabe dirigir, comigo não ia rolar. Mas ainda me sinto incrível por poder participar disso.



35) Eu gargalhei quando a gente estava pesquisando onde no Brasil teria a tal tirolesa, aí achamos essa em SP e vimos que o nome da cidade era SOCORRO. Isso mesmo, SOCORRO! Help City! Uma piada prontíssima que eu não desperdicei. A cidade não poderia ter um nome melhor para abrigar uma cilada do bem.


[Gente, e eu que nem queria tirar essa foto MARAVILHOSA? Jonas e Elisa insistiram, daí tirei. Depois postei a foto no Twitter e no Facebook com uma piadinha, e VIRALIZOU. Olha o sucesso oO]

36) Levamos umas 3 horas para chegar lá. Eu dormi, acordei, dormi, acordei, assisti um episódio de 1h30 de Survivor, dormi, acordei e NADA da gente chegar. A estrada de terra começou, e eu estava quase aceitando que o tal parque não existia.

37) MAS ELE EXISTIA! O Parque dos Sonhos é um hotel-fazenda que fica em cima da fronteira entre SP e MG. Além de hospedagem, lá tem um monte de bicho de fazenda e atividades radicais tipo tirolesas, rafting, trilhas, essas coisas. Eu só estava lá por causa da Tirolesa Voadora mesmo, mas se pá toparia andar a cavalo, que também está na Lista. Jonas queria ir de Spoletto, que é o nome que batizamos um tal de Espeleoturismo (que nome grande do caramba).

Spoletto, para leigos.
(É tipo uma trilha por uma gruta cheia d'água)


38) Chegamos lá, e o Parque dos Sonhos destruiu todos os nossos sonhos. Não tinha mais cavalo, não tinha Spoletto, não tinha Bóia-Cross, tudo tomado pelas pessoas que já estavam hospedadas lá. Então já fica aí o aviso pra quem quiser ir de visitante como a gente. Mas a Tirolesa Voadora estava protegida por Deus, o tempo estava bom e IA ACONTECER!

39) Vou tomar aqui uma liberdade narrativa e inverter a ordem das coisas me deixem, o diário é meu.

40) Eu, Elisa e Jonas fomos fazer umas das trilhas do parque. Lá tem umas 5387 tirolesas, 38743 trilhas e sei lá mais o quê, então entramos numa trilha qualquer já que o Spoletto nos foi negado. Era até bem marcadinha, dava mesmo para ir sozinho e tal. Num segundo, a gente estava dividindo o ambiente com pessoas, no outro eu me senti no meio da mata. Estava tudo bem, vimos cachoeiras, um casal se pegando na margem de uma delas, até que, GENTE, do nada surgiu uma VACA DOIDONA descendo a ladeira PRA CIMA DA GENTE. Repetindo: UMA VACA DOIDONA. Eu nem sabia que tinha vacas ali. A vaca desceu o morro correndo, caiu na nossa trilha e eu fiquei VAI CORRER ATRÁS DA GENTE. Não correu, mas não fiquei em paz depois.

41) Depois Jonas ficou fazendo mugido pra me assustar (e conseguiu um par de vezes Hahahah)

42) Caímos numa fazenda onde tinha galinhas, cavalos, EMAS (não sei diferenciar de avestruz) e umas vaquinhas antipáticas. Eu quase coloquei a mão em uma, mas na hora fizeram um MUUUU que não achei sensato da minha parte seguir com o plano. O que eu queria mesmo era ordenhar uma vaca, mas fica aí o sonho para a posteridade.

43) A gente andou tanto pela vida selvagem que não sabíamos voltar para a civilização. Continuamos seguindo o que a gente achava que era a trilha e do nada vinha uns sons do tipo AAARRRGH. Que bicho faz isso? Também não sei, mas me senti no Jurassic Park com aqueles dinossauros berrando no fundo.

Tem um dinossauro ali no fundo se você olharem bem


44) Encontramos um CAVALO HOSTIL no meio do caminho. Gente, o bicho solto na nossa frente. Passamos devagarzinho pra ele não ver a gente, mas daí percebi que tinha OUTRO CAVALO HOSTIL. Eu vi que ele estava vindo atrás da gente, daí corremos um pouco hahahahah Viramos num atalho e, olha, acho que não nasci mesmo pra vida em floresta.

45) O restaurante do parque é uma graça. Sofria da mesma falha de caráter do resto de SP, não tinha feijão preto sem ser feijoada, mas tinha mil sobremesas, decoração legal e tal. Achei sucesso, e olha que eu mal ligo pra comida.



46) Tinha uma galinha dentro de um carro. A gente chegou perto e viu que ela tinha BOTADO UM OVO Hahahahah Comodidade é tudo. Aliás, tinha galinhas em lugares bem aleatórios, tipo em cima da bilheteria e empoleiradas nas placas.

47) Depois do almoço, BATEU ELE, o sono.

Durmo bem, sim, nunca neguei

48) Dava pra ver vez ou outra pessoas voando sobre nossas cabeças nas tirolesas.

49) A Tirolesa Voadora ficava em cima de um morro e pra chegar lá tinha que subir num trator. E lá fomos nós. Mas junto com nosso grupo foi uma ANIMADORA DE TRATOR que, assim, não sei se precisava. Não era como se fôssemos cantar aquela música sobre pãos furtados. Mas a mulher tinha um megafone e não ficava quieta.

50) O motorista ficava com fones de ouvido por causa do barulho do trator, mas acho que na verdade era por causa da animadora (piada by Elisa). Invejei demais.

O trator!

51) MAS CHEGAMOS NA TIROLESA E, GENTE, IA MESMO ACONTECER! Vimos de perto pessoas deitando naquele troço e sendo lançada aos ares que nem a Glória Maria! SOCORRO! Entramos numa fila com poucas pessoas (a maioria das pessoas queria ir na tirolesa comum, aquela que você vai sentado. Amadores) e eu decidi ser o primeiro porque sim. Elisa ficou pra trás porque alguém tinha que tirar fotos, depois alguém voltaria pra tirar foto dela. Então eu e Jonas tava como?



51) Só de deitar no aparato lá, já bate um MEU DEUS DO CÉU, GLÓRIA. Confesso que é assustador. A gente viu pessoas voando, sendo lançadas, a gente olha lá bem longe e a corda da tirolesa desaparece no além. A moça pergunta "Tá muito apertado? Tem algo te machucando? Quer que afrouxa?" e eu APERTA TUDO O QUE TIVER PRA APERTAR, NÃO ME DEIXA CAIR, AAAAAHHHHH.

52) Decolei.




53) Ninguém deve ter ouvido, mas eu berrei muito. Meu primeiro grito foi GLÓRIA MARIA, SUA DESGRAÇADAAAAAAAAAA, PUTA MERDA (me excedi sim), EU TE AMO. Aí eu fiz o Superman, eu abrir os braços, eu olhei bem pra baixo, para os lados, para cima, eu queria ver tudo. Gente, eu nunca voei na vida, claro, mas nos meus sonhos É EXATAMENTE DAQUELE JEITO. A terra passando lá embaixo, a gente no céu, é lindo. Eu comecei a chorar Hahahahahah Na verdade, eu acho que é uma reação involuntária naquelas condições, porque Jonas e Elisa também tiveram experiências parecidas. Tem alguma coisa na velocidade, sei lá, que faz a gente chorar. Mas eu achei o choro bem legítimo. Não dá mais de um minuto pairando pelo céu, mas a experiência é incrível e vai ficar guardada pra sempre comigo. Recomendo a todos.

54) Jonas chegou muito abalado no final da tirolesa Hahahahah A CARA DELE. Ele disse que o corpo dele não ficava reto, que ia virando, ele abria e fechava os braços, rolou meio que um pânico ali no ar. Então fiquem avisados.

55) Depois eu voltei no trator pra subir o morro de novo e tirar as fotos da Elisa, Jonas ficou do outro lado da tirolesa pra recebê-la. É legal quando você chega e tem gente do outro lado para você compartilhar sua experiência. Muito engraçado a Elisa indo, gente, BERROU MUITO. Todo mundo da fila riu, talvez achando que era medo, mas eu sabia que a Elisa é assim mesmo e estava curtindo 200%.

A gente mais abalado que nossa Glória favorita nesse gif

56) O trator sobe e o trator desce, né? Nada do trator aparecer pra me levar de volta, eu fiquei lá ABANDONADO no morro por alguns minutos. Ainda bem que fui esperto e levei meu Kindle, tô sempre preparado para o tédio. O gerente do hotel roda com um carro pra cima e pra baixo, daí ele apareceu lá e os funcionários perguntaram se eu queria descer com ele. QUERO. Eu tava com vergonha de entrar na picape, mas, ah, quer saber, vulnerabilidade e tal. Foi muito mais cômodo que descer naquele trator sacolejante Hahahahah

57) Fim do dia, fim da aventura, voltamos para o carro. Achei a volta pra SP uma delícia. A gente veio conversando sobre um monte de coisas e que precisamos conhecer mais pessoas, pessoas legais, livres e desimpedidas para viver mais aventuras dessas. Mande seu currículo Hahahah

58) Todo mundo sabe que eu acho um porre ficar relembrando os velhos tempos, mas a gente ficou imaginando quem da nossa turma poderia ocupar hoje em dia esse espaço de uma quarta pessoa. Os três tinham que aprovar. Tirando as pessoas que já são nossas amigas, ninguém passou Hahahahaha Somos exigentes. Ah, mentira, teve uma que todos aprovaram com entusiasmo, mas chegamos à conclusão de que ela é que não ia querer andar com a gente, pois a pessoa é cool demais HAHAHAHAHAH (não disse quem)

59) Experiência gastronômica na janta! Pediram China in Box. Não faço mais ideia do que comi, mas achei sucesso.



60) Não tivemos nenhum problema com o voo dessa vez (DEUS É MAIS). Chegamos no horário, sentamos juntos, demos tchau para São Paulo e vida que segue. Que Deus abençoe a Glória Maria.

***

Acho que tenho que agradecer ao Jonas por ser o melhor e único possível motorista, por tirar as melhores fotos quando eu não estava olhando e por me avisar quando o melhor banheiro do hotel estava disponível. À Elisa também, por saber detalhes de todos os lugares que a gente pisou, por fazer voluntariamente marmitinhas de café da manhã para todos nós e por cantar Moana comigo em momentos aleatórios. Eu jamais iria encarar essa aventura sozinho, JAMAIS, então vocês salvaram o dia topando essa cilada do bem (como sempre). Jamais parem.

E essa foi mais uma incrível trilogia do Diário de Viagem, que só não acontece mais vezes porque não temos tempo e recurso financeiro pra isso. Um item da Lista riscado! Valeu totalmente a pena.