ATENÇÃO: Este texto tem spoilers de Survivor Game Changers 34x07,"What Happened on Exile, Stays on Exile".

Geralmente, quando um episódio de Survivor acaba, eu fico em choque, mas aquele choque bom, do tipo, meu deus, como essa coisa incrível acabou de acontecer? A VIDA É TÃO BOA etc. Só que nesse eu quase chorei, e de tristeza, coisa que nunca imaginei que ia viver assistindo meu reality show favorito de todos os tempos.



A gente conhece o Zeke da temporada passada, Millennials Vs Gen X, daí ele foi tão bom jogador que imediatamente o trouxeram de volta para Survivor Game Changers. O que a gente sabia dele é que ele odeia o Twitter (mas usa mesmo assim), tem 20 e poucos anos, é gay e faz um jogo muito estratégico, além de se conectar fácil com as pessoas. Outro competidor, Jeff Varner, voltou para a Game Changers depois de já ter participado duas outras vezes, é um participante que sempre PROMETE, mas acaba sendo eliminado cedo demais para fazer algo memorável. Meio que agora ele fez e foi horrível.

Varner ia ser eliminado da tribo, estava sozinho, por baixo, era um jogo de 6 contra 1, mas ele estava desesperado para fazer alguma coisa. Daí que ele mira no Zeke dizendo que ele vai passar a perna em todo mundo mais pra frente e que ele é deceitful (algo como enganador). Que o Zeke é bem capaz mesmo de ser ardiloso a gente sabe, mas aí Varner joga isso na mesa:

POR QUE VOCÊ NÃO DISSE PARA TODO MUNDO QUE É TRANSGÊNERO?


Zeke é um homem trans. A tribo não sabia. Nenhum participante no jogo sabia. A GENTE não sabia, mesmo essa sendo a segunda temporada dele. Eu mal sei como o Varner soube disso, mas agora estava ali escancarado para todo mundo. Deu pra ver o desconforto horrível na cara do Zeke.

O que Varner estava querendo dizer é que uma pessoa trans que não conta para os outros que é trans está enganando os outros ou, no mínimo, tem habilidades para isso.

Nem vou entrar nesse mérito, porque OLHA.

O ponto é que, gente, ISSO NÃO SE FAZ. Você, em hipótese alguma, tem o direito de expor uma pessoa assim, de "tirar alguém do armário" (eu nem sei se esse termo se usa para pessoas trans). E eu acho que isso é óbvio, né? Mas eu nunca tinha presenciado um fato desse acontecer e, assistindo a esse episódio, eu senti como a coisa toda é horrorosa. NÃO SE FAZ MESMO. É, tipo, irresponsável.

Graça a Deus que a tribo reagiu como pessoas decentes e TODOS apontaram o quanto a ação do Varner foi nociva e inaceitável. Saiu até alguma coisa boa depois de tanta dor. Mas mesmo assim.

***

Quando uma pessoa homossexual "sai do armário", ela está mostrando ao mundo quem ela é de verdade. Quando acontece o mesmo com uma pessoa trans, o sentimento não é igual, ela não está mostrando quem ela é de verdade, porque quem ela é de verdade é quem as pessoas já conhecem. Resgatar o passado de uma pessoa trans é trazer à tona fatos e lembranças que talvez a pessoa em questão não se sinta confortável em lidar, pode ter sido um pesadelo, pode ter sido dolorido. Só ela pode abrir essa porta. Se quiser.

E antes que venham com AH O HOMEM BRANCO CIS HET, o Varner é gay também. Fazer parte de uma minoria não diz muita coisa sobre o jeito que você trata os demais.

A gente tem essa mania de expor as pessoas, eu acho. Quando a gente descobre que um amigo ou conhecido é gay, por exemplo, nosso primeiro impulso é contar para todo mundo. Se for um desafeto então, vai até para os jornais e sites de fofoca. No próprio Twitter, em que as pessoas são supostamente desconstruídonas, rola muito disso de apontar o dedão e falar que "fulano famoso é gay! rsrsrsr", como se o tal fulano tivesse que se sentir envergonhado por causa disso. Galera quer forçar os outros a deixarem a privacidade.

Lembrei daquele jornalista que, durante as Olimpíadas, entrou num desses aplicativos de encontros LGBT para expor atletas. Tipo, gente, PRA QUÊ? Que doença é essa que a gente tem? Nem é a nossa vida. Nos afeta 0% e muda tudo para a outra pessoa na maioria das vezes. Não é uma brincadeirinha.

***

No fim das contas, até que todos lidaram muito bem, incluindo Zeke. Espero mesmo que fique tudo bem. O caso é que agora eu estou focado em colocar a mão na consciência e não me tornar o Jeff Varner da vez. Deus me livre. Recomendo o mesmo para vocês.