Li um livro tempos atrás, aquele A Lista (Cecelia Ahern), e nele tem uma jornalista chamada Kitty Logan que recebe a missão de descobrir a ligação entre as pessoas cujos nomes aparecem numa lista de cem nomes, sem nenhuma pista. Chega uma hora na metade da história em que ela decide enfiar todo mundo num ônibus e fazer uma viagem para conhecer melhor aquelas pessoas.

Eu, de novo, enfiei em 29 pessoas num ônibus para doar sangue, conheci um pouquinho de cada uma delas e tô me sentindo a própria Kitty Logan. Já contei como foi da outra vez essa aventura, não mudou muita coisa, então eu quis fazer este post ser sobre as pessoas. Porque, CARAMBA, gente é amor demais. Amo pessoas e vou protegê-las.



A Adriana, por exemplo, que trabalha como operadora de caixa no mercado em que fiz as compras para o café da manhã e o almoço para os doadores. Fico meio assim de elogiar mulheres, pois Deus me livre assediar pessoas, mas, como não tinha nada a ver com aparência e sim com um trabalho de excelência, eu TIVE QUE DEIXAR ELA SABER. A Adriana foi maravilhosa. Eu peguei dois pacotes de pães mofados sem ver, e ela me avisou, mandou eu ir trocar. Eu estava todo atrapalhado com aquela muvuca de compra (sou um filhinho da mamãe do caramba, não faço compras), e ela me deu dicas. PEGA UM CARRINHO, VAI COLOCANDO AS COMPRAS, EU TE AJUDO A ENSACAR. Vocês podem achar que não é nada demais, mas nesse mercado as caixas não ajudam a ensacar nada. Depois eu ainda me toquei que esqueci de comprar pratos e talheres descartáveis, e a Adriana "Vai lá pegar, eu passo pra você rapidinho quando você voltar". Adriana, você salvou meu dia. Agradeci mil vezes, ela ficou toda "Imagina". Eu queria dar uma medalha pra Adriana, acho que ninguém se oporia.

Teve o Douglas que me ofereceu ajuda pra carregar mais da metade das compras na moto dele e ainda me ofereceu carona (Socorro).

A Érika me encontrou no meio do caminho depois que recusei a carona do Douglas (eu não tava podendo morrer), gritou meu nome e disse "Felipe! Tanta bolsa! Deixa eu te ajudar" e me ofereceu uma mão e um papo muito bom de 10 minutos.

O dia também foi salvo pela Zel e o Zacarias, que compraram tudo que eu esqueci. Eles ainda me arrumaram o bujão de gás DA CASA DELES quando descobrimos que o da igreja foi roubado em cima da hora (quem rouba bujão, gente?).

Eu bati no portão da casa da Dona Sueli, falei da doação de sangue e tal, mas, quando ela me disse que tinha 66 anos, eu já ia deixando pra lá. A idade máxima é 70 anos e idosos já não têm uma saúde tão boa, né... Tomei na cara quando:

- Ah, ok... Obrigado por me atender mesmo assim
- NADA DISSO, EU SOU DOADORA
- Oi?
- DOADORA REGULAR. E VOU NESSE ÔNIBUS, SIM. EU, HEIN. AINDA VOU ARRASTAR MEU MARIDO E MEU NETO.

Dona Sueli, fiquei morrendo de vergonha, mas bem feito pra mim. Eu sentei do seu lado na volta do INCA e aquele "Tô muito feliz pela senhora existir" foi mesmo de coração.

Sei nem o que dizer pra Antônia e Luiza, que vieram DE LONGE para participar e chegaram antes de todo mundo, apenas que quero guardar vocês num potinho.

"Felipe... O mundo precisa de mais Felipes, sério". A Alessandra me disse isso, e alguém deveria avisá-la que isso é um perigo, pois eu acredito nessas coisas e fico INSUPORTÁVEL.

Gérson e minha Adriana favorita foram estrelas, e eu amo os dois demais. Ele, desse tamanho tendo PAVOR de agulhas, foi o que deu os melhores sorrisos. Ela me ajudou em TUDO. Diz ela que é meu braço esquerdo. Eu acho que ela foi o direito mesmo.

Ainda teve o Sebastião que entrou na sala de doação junto comigo e, assim que foi liberado, ouviu do médico:

- Só não faça muito esforço físico, ok?
- ENTÃO SEXO NEM PENSAR, NÉ, DOUTOR?
- Nada, hoje você pode fazer ATÉ O CANGURU PERNETA
- AGORA EU GOSTEI

Seu Sebastião, eu nunca fiquei tão constrangido em toda minha vida, pois o senhor tem uma cara de anjo do bem, mas espero que tenha transado bastante depois da doação, pois merece demais. Esse negócio de canguru perneta parece meio perigoso, CUIDADO, olha a idade.

Também queria dar um abraço na Mariane que entrou apavorada na sala de doação, ficou doida na cadeira, mas sorriu pra médica e disse IMAGINA, TÔ ÓTIMA quando perguntaram se ela estava bem. Ainda levou duas amigas. Jurou que volta.

E a Maria de Fátima que viu que eu tava mandando todo mundo comer alguma coisa no café da manhã, mas eu mesmo não comia nada. E eu consigo comer quando estou nervoso? Daí ela "Ok, vou colocar umas frutas pra você ir comendo no caminho, tem que comer". E aquela banana salvou minha vida quando me vi COM FOME meia hora depois.

***

Gente me ajudou no recrutamento, no telefone, com as compras, fazendo as comidas, organizando a coisa toda, tirando fotos, dirigindo... Eu quase não entendo quem prefere cachorro a gente.

Também quero citar não apenas Deus, mas também Jesus por botar tanta MAS TANTA gente boa no meu caminho. Dizem que eu atraio com meu jeito, eu fico pensando que é sorte. Duas opções erradas, deve ser tudo um plano mirabolante de Jay-C.

GENTE É BOM, DEUS É MAIS. Eu gosto é assim mesmo.