Tenho notado que minha vulnerabilidade anda dando umas falhadas. Não sei bem como acontece. Às vezes, eu me pego sendo a personificação do refrão de Firework e parece que posso fazer de tudo nessa vida e que, sei lá, é quase minha obrigação fazer. Mas rola uns momentos nada a ver em que parece muito mais cômodo evitar a fadiga.

Um amigo meu trabalha numa loja e, de vez em quando, eu fico lá jogando conversa fora entre um cliente e outro. Teve um dia que a gente conversou tanto que o expediente encerrou e resolvemos almoçar. Ele só tinha que achar a chave do carro e fechar a loja. Gente, foi a meia hora mais demorada da minha vida. Nada da chave do carro aparecer. Mais de uma pessoa  procurando, eu só esperando. Aí eu bati o olho sem nem procurar num objeto que tinha tudo para ser a chave de um carro, mas eu não tinha certeza se era e seria meio ridículo se não fosse. Tava ali, bem na cara mesmo. Eu quase falei. Mas tenho 0 familiaridade com carro, então deixei pra lá, vai que não era.

Mas era.

Meu amigo achou a chave sozinho e, pela minha cara, ele disse:

- Você por acaso tinha visto a chave ali o tempo todo e não disse nada?
- Sim
- Por quê, meu deus?
- ....................................

Eu tive uma virose dia desses e fui parar na emergência de um hospital. Me colocaram num soro, mas eu devia estar tão necessitado que foram necessárias duas bolsos de soro. Eu só ali vendo as gotas caírem e indo para minha veia pelo tubo. Até que parou de pingar e uma das bolsas ficou murcha. Será que acabou? Parece que acabou. Acho que alguém vem e troca a bolsa. Humn... Parece mesmo ter que trocar. Mas ninguém tá vendo? Eu que tenho que avisar? Mas e se não acabou? Eu sou médico pra saber? Vai parecer que eu estou reclamando se eu avisar que acabou e não tiver acabado? Eu vou ficar aqui pra sempre esperando? Socorro. Nossa, eu fiz muito esforço psíquico pra ver se alguém na enfermaria olhava pra mim e lia tudo nos meus olhos. Era só abrir a boca, gente. Minha mãe teve que INVADIR a emergência (acompanhantes não são permitidos) pra eu contar pra ela da bolsa vazia e ela acionar um enfermeiro. O cara:

- Você ficou com vergonha de avisar? Heheheh
- Não.
- Ficou com vergonha? Heheheh
- ...............

Eu sinceramente não sei qual é o nome do meu problema, mas é real. Preciso dar uma relida no livro da Amanda Palmer, porque a Ted Talk da Brené Brown eu já revi umas sete vezes.