Eu até driblo um monte de abacaxi no jogo da vida, mas ainda existem coisas que eu vejo, paro e fico me perguntando "Mas gente?". Eu não sei lidar mesmo.

1) Bolsa de lado: Esse é um tique pessoal meu, jovem adulto que pega ônibus e metrô todos os dias. Gente, como eu fico ~nervouser~ com essas bolsas ou mochilas que as pessoas usam de lado. Tem aquela regrinha que graças ao menino Jesus já foi gravada no coração da maioria de que mochila nas costas em ônibus lotado é um abuso, então a galera se comporta nesse quesito, PORÉM, sempre tem a bolsa de lado para ocupar espaço e espetar os demais. Gente, é a mesma coisa que a mochila nas costas, só que de lado. Bolsa feminina então, caramba, é cada TRAMBOLHA. E, de alguma forma, do mesmo jeito que as hostilizo de longe, elas sentem e me hostilizam também porque, se há a oportunidade da pessoa virar a bolsa para o meu lado, ELA VIRARÁ. Para morar no meu coração, só bolsa e mochila virada para frente ou no chão. Um abraço também para quem está sentado e segura a bolsa alheia. Jamais parem.


Vocês no ônibus
(Fonte)

2) Livro de suspense sem respostas: Eu amo suspenses. É um gênero de livro que simplesmente ativa todas as partes do meu cérebro e me deixa maravilhado com a genialidade dos autores sempre que termino o livro. A menos que o livro tenha um final porco que não explique nada. Aí, gente, dizem que amor e ódio dividem as mesmas emoções, e deve ser verdade, porque eu fico CAGADO DA MENTE com livros de suspense que não respondem as perguntas principais. Quem era o assassino? Ninguém descobre. Quais as motivações? Não tem como descobrir. Mas e aquela cena suspeita que aquele personagem protagonizou e não foi explicada? Cena, oi? Gente, NÃO FAÇAM ISSO. Depois de 300 páginas, você não dar o que o leitor quer e é total direito dele é uma FALTA DE CARÁTER. Talvez eu odeie vocês.


Fale por VOCÊ, Plínio



3) Gente que reclama todo dia da mesma coisa: Também amo gente e sou o rei dos draminhas que, na verdade, não precisam ser resolvidos. Eu só quero reclamar, fazer uma piada e pronto. Acho sadio. Experimentem. PORÉM (sempre tem um porém), eu começo a me incomodar quando a pessoa que reclama está realmente irritada com a situação e nada faz para resolver. Pior, quando ela reclama diariamente de uma coisa. Um exemplo: Existe um trecho no caminho que faço pra casa que SEMPRE tem engarrafamento. O ônibus sempre para ali, demora quase 20 minutos para sair. Todo santo dia as pessoas reclamam. Ficam realmente irritadas, brigam com o motorista, com o cobrador, xingam umas às outras, colocam a culpa na Dilma (juro), dizem que precisam queimar ônibus... Elas ficam, tipo, surpresas! Hahahahah Eu fico só observando o desgraçamento mental e lendo meu livro ou assistindo minha série. Eu fico até grato por aquele engarrafamento, porque é o tempo certinho de assistir um episódio de Parks and Recreation ou Friends. Risos. Minha vontade às vezes é dar um gritão de TODO DIA É ASSIM, CARAMBA, mas depois eu me recupero e penso que poderia treinar essas pessoas para sobreviver a um engarrafamento diário mantendo a paz de espírito e a integridade física.