Eu gosto muito da pessoa que eu sou, vocês já devem ter percebido isso, e às vezes sinto que minha meta na vida é fazer com que vocês também gostem de vocês mesmos. Não é como um endeusamento próprio ou se achar perfeitão. Você tem que ser muito tapado para se achar perfeito, desculpa te dizer isso. Não trabalhamos com perfeição, mas eu geralmente sei onde acerto e onde erro. E, sabendo onde eu erro, eu posso tentar consertar.

O caso é que eu geralmente tô bem felizinho na minha, até que chega um dia em que o jogo vira porque alguma coisa não muito legal aconteceu e eu fico me sentindo 100% descartável. Do you ever feel like a plastic bag? Eu já.

E é surreal como a coisa toda bate forte, sabe? Parece que TUDO está ruim. Todas as áreas da vida. Você não é uma boa pessoa, ninguém gosta de você de verdade, você não tem futuro, todas as suas escolhas na vida foram ruins e, se você sumisse, ninguém sentiria falta. E a gente acredita em tudo isso! Quer dizer, a gente nem questiona pra ver se a desgraceira toda é mesmo verdade. E olha que dificilmente é.

Eu estava nessa vibe dia desses e, quando eu vou, eu vou fundo. Sabe aquela vontade de não sair da cama porque não há nada de bom lá fora? Ou ser obrigado a sair, mas desejar ardentemente a hora de voltar pra cama porque você pode ficar sozinho e parar de pensar? VOCÊ É INÚTIL. Eu estava quase acreditando, porque, gente, esse estado da mente é muito convincente.

Daí eu recebi um e-mail cheio de amor gratuito da Fernanda S.

"Quero falar aqui como a tua paixão me motivou a ser a melhor versão de mim e de dar o meu máximo em todos os projetos que eu me proponho a cumprir". Entre outras coisas, ela terminou dizendo "Quis compartilhar isso contigo porque acho importante tu saber que toca as pessoas das mais diversas formas e isso é um dom".

Assim, gente, sem querer me gabar mas já me gabando pois este blog é meu, EU FUI NO CÉU E VOLTEI. Porque, nossa, uau, tipo... Gente, que isso, GENTE.

EU POR DENTRO
Resumindo o e-mail da Fernanda:
BABY, YOU'RE A FIREWORK

Não é todo dia que ouvimos isso de alguém, ainda mais tão assim do nada. Daí aquilo de ser 100% inútil e descartável perdeu um pouco da força, porque, bom, pelo menos eu tinha ajudado a Fernanda um pouquinho. Então acabei me lembrando de todas as mensagens que já recebi através do blog e fui fuxicar minha caixa de entrada para reler todas. 

Cara, quanto amor gratuito, jamais parem <3

Chegava a ser ridículo como eu estava me sentindo pra baixo, sendo que tinha aquelas pessoas todas me dizendo o contrário. Eu ainda me forcei a lembrar das coisas boas que já me disseram pessoalmente e notei que eu não sou inútil e descartável COISA NENHUMA. Muita gente me ama. Algumas pessoas eu nem entendo o porquê (mas também não vou reclamar). E, mesmo se não fosse muita gente, mesmo se fosse só 1 pessoa, já me bastaria.

A gente foca na coisa ruim e esquece de tudo de bom que já foi dito a nós e que fizemos antes, né? Feelings are the only facts uma ova, o que a gente sente em certo momento engana muito. Não que os sentimentos sejam irrelevantes, mas, na maioria das vezes, contra fatos não há argumentos. Então eu caguei pra bad e fui ser feliz.

Quando eu me inspiro com as minhas próprias cafonices


Queria propor aqui duas coisas então. A primeira é que vocês continuem me amando, brincadeira vocês pensem em 5 pessoas agora (sério, AGORA) (não tô brincando, pensem) e façam a elas algum elogio. Ou expliquem por que vocês as amam, digam motivos específicos delas serem importantes, agradeçam por aquilo que vocês nunca agradeceram. Não precisa ser uma declaração de amor melosa ou aquela rasgação de seda cafona que eu amo, mas tentem. Joguem amor gratuito no mundo! 5 pessoas, não esqueçam.

A segunda coisa é que, se você está lendo esse blog, você provavelmente é uma pessoa que nem eu, que tem algum costume de trocar mensagens, seja por e-mail, nas redes sociais, no whatsapp etc. Então é bem capaz de você já ter recebido doses de amor gratuito por escrito. Eu queria que você fizesse que nem eu e procurasse por essas mensagens, queria que você salvasse os prints numa pasta, no celular, sei lá, algo assim, e relesse SEMPRE. Nos dias difíceis, nos fáceis, todo dia, toda semana, quando você quiser e/ou precisar.

Porque é verdade, gente, nós esquecemos. Você vai lembrar daquela ofensa que rolou em 1983, mas vai esquecer do elogio feito no começo da semana. Eu vou, pelo menos.

Espalhem esse amor aí porque faz milagre. Experiência própria.

***

Ei! Se você quiser ser muito maravilhoso comigo, você pode compartilhar esse post nas suas redes sociais e me ajudar com essa corrente do bem de amor gratuito. Quero todo mundo explodindo que nem as pessoas no clipe da Katy Perry.

Obrigado! :)