Tem uma fase em Grey's Anatomy em que a Meredith está super apagada, apenas existindo, vendo as pessoas ao redor dela conquistarem coisas e ela ficando pra trás. Até o marido dela recebe uma proposta de trabalho maravilhosa para trabalhar fora daquele hospital amaldiçoado por Deus, e a Meredith cogita largar a carreira dela para acompanhá-lo, recomeçar a vida em outro lugar e tal. 

Acontece que a Cristina, bff da Meredith, diz a ela: "Don't let what he wants eclipse what you need. He's very dreamy, but he's not the sun. You are" ("Não deixe que o que ele quer ofusque o que você precisa. Ele é muito ~sonhador~, mas ele não é o sol. Você é") (favor ignorar o que foi traduzido livre e porcamente). E daí em diante a Meredith vira o jogo e começa a se dar algum valor na história toda. Ok que ela exagera um pouquinho, mas funciona.


A sinusite me deixou de um jeito péssimo, gente. Foram só dois dias com os sintomas mais comuns, fiquei acamado mesmo, mas depois passou e eu, do nada, piorei. Quer dizer, eu estava ok, mas um cansaço absurdo tomou conta de mim. Não sei se vocês sabem como é dormir e acordar cansado, e eu espero que não saibam, porque eu não sabia e preferia ter continuado sem saber. Zero vontade de sair da cama, de viver o dia. Zero vontade de existir na internet e interagir com pessoas offline. Eu fiquei muito triste com a situação e vocês sabem que eu desapareço na tristeza. Eu até fiquei "Gente, será que é depressão? Porque parece com depressão". Olhei na bula do remédio que eu estava tomando e dizia assim: "Este remédio não foi testado o suficiente. Qualquer sintoma incomum favor entrar em contato com os fabricantes" Hahahahahah Juro. E entre os efeitos colaterais já descobertos do remédio estava DEPRESSÃO. Aí que eu morri por dentro mesmo, eu sempre acho que estou de fato morrendo.

Estava falando com a Cíntia que eu estava bem triste por estar feito um zumbi o dia todo, que aquilo não era eu. "Eu preciso ser THE SUN novamente, mas estou triste por... estar triste". Porque, gente, se vocês me conhecem de algum lugar, sabem que eu não posso ser classificado exatamente como uma pessoa depressiva. Aí Cíntia me disse "Bom, você não é o sol de qualquer forma".

Continuei remoendo para mim mesmo minhas lamúrias, mas só pensando nisso de não ser o sol. Eu não sou o sol... Eu não sou o sol... Mas aí os astros se alinharam e eu vi um vídeo da Jout Jout, cujo título nunca diz nada mesmo ("Puberdade, postura e uma cubana"). No vídeo, ela fala sobre como, na infância, era um pecado mortal a pessoa se achar. "Está se achando" era a pior coisa que poderiam falar de você. Daí tudo se encaixou aqui do meu lado.


Cíntia, me desculpa, mas eu tenho que me explicar: EU SOU O SOL, SIM. E, nossa, não é pouco sol não, eu sou MUITO sol. É sol de segunda a segunda, de manhã, de tarde e de noite. Aqui trabalhamos com 24h por dia e 365 dias por ano sendo o sol, sem esquecer do diazinho extra quando o ano é bissexto. THE SUN. Eu nem sei ser de outro jeito.

Eu tenho muitos defeitos, mas ser o sol é reconhecer as minhas qualidades. É me achar o tempo todo, mesmo que as outras pessoas estejam perdidas. É olhar no espelho e dizer "Tá gatão hoje, parabéns". É ter a plena certeza de que sou legal, engraçado, boa companhia e a melhor pessoa que posso ser no momento. É me ter em alta conta e ser o protagonista da minha própria história etc. A minha história não acontece sem mim, da mesma forma que o Sistema Solar fica cagadíssimo sem o sol.

Não é necessário pisar em outras pessoas para gostar de si mesmo. Diminuir os outros não altera em nada o meu tamanho. Não tem nada a ver com eles, como eles me enxergam, o que pensam de mim. Ser o sol é dar a valor a si mesmo, é gostar da própria companhia, é ser gentil consigo mesmo e comemorar nossas pequenas conquistas. Nós precisamos de luz, gente, e o sol tem luz própria. Nós somos o holofote e a pessoa no palco. Quando você mira em si mesmo, você gosta do que vê? Porque eu gosto. E, se eu não estou gostando, se eu não me sinto eu mesmo, então tem algo errado.

Mesmo quando você cede o protagonismo da sua vida (temporariamente ou não, há casos válidos) para outra pessoa, faça isso porque quer e não porque você TEM QUE.



Sério, gente, seja mais sol. Chega de viver apagado, como um zumbi, como se fosse lixo. Só dá ruim quando você transforma amor próprio em egoísmo, mas saiba: VOCÊ NÃO É UM LIXO. Você é capaz, você tem qualidades, existem pessoas que amam você, você é bom em várias coisas, você é o protagonista da sua vida. Você é o sol.