Não sei quando aconteceu, mas em algum momento da minha vida o meu senso de obrigação deu defeito, eu tentei consertar, mas nunca mais foi o mesmo. Só funciona quando quer, e isso raramente coincide com quando ele deveria funcionar. Sou partidário de dizer um NÃO bem grande quando você definitivamente não quer fazer uma coisa que acham que você deve. Vai ver é a mesma lógica do meu senso de obrigação, risos.

Acontece que existe uma coisa chamada família tradicional brasileira e, bom, família a gente cuida, família é de casa, família é sempre pela família. Uma pessoa parida pelas mesmas vias que você é automaticamente seu melhor amigo. Aquela outra gerada por uma série de coitos passeando pela sua árvore genealógica merece, no mínimo, algum apoio seu, afinal, ela é da família também. Ah, se um papel diz que aquela pessoa é da sua família agora, então é mesmo. É assim que a coisa toda funciona e está aí desde bem antes das pessoas chamarem sexo de coito. Podem pesquisar.

Agora vem alguém aqui me obrigar a aceitar isso. Sempre uma dificuldade, porque é assim que eu vejo as pessoas da minha família:



Como eu vejo as pessoas do meu círculo de amizade:


Como eu vejo as pessoas que trabalham comigo:



Como eu vejo as pessoas que me fazem fingir que não vi pra não ter que parar e conversar na rua:


Como eu vejo as pessoas:



Acho que deu para entender o espírito da coisa, mas vamos repetir só mais uma vez porque essa imagem é muito fascinante (Se alguém souber que empresa é essa, favor enviar meu currículo pra lá, porque essa gente é muito feliz).



Ah, mas então você trata todo mundo igual? Sim e não. Sim, eu tento tratar todo mundo como gente (e gente extraordinária!), porque isso todo mundo merece mesmo, mas, não, nem todo mundo vai ser meu melhor amigo, receber meu apoio ou merecer algo de mim. Isso vai depender de uma série de outras coisas, como amor, minha vontade e minha gratidão, mas obrigação não entra nessa lista.

Se existe mesmo um rótulo de família, o meu é quem manda amor gratuito pra mim. É quem me abraça quando eu preciso, é quem me ouve e compreende quando estou todo atrapalhado das ideias. É quem me ajuda apoiando alguma ideia maluca minha e faz de tudo pra facilitar meu caminho na vida, mesmo quando eu não peço. É quem me presenteia quando eu nem esperava receber nada e diz as coisas certas nas horas certas, seja para me encorajar ou para falar que eu talvez esteja equivocado. Essa é a minha família.

Imagine o drama quando um parente de sangue não se encaixa nessa definição particular.

***

Não precisa imaginar, eu vou contar aqui.

Tenho um relacionamento aceitável com a família da minha mãe, até conheço e falo com bastante gente. Mas com a família do meu pai... Gente, nem com o meu pai eu tenho muito contato. Eles não frequentam os mesmos lugares que eu, eles não aparecem nas minhas redes sociais, eu não sei de nada que temos em comum, eles não me visitam, e eu também nem saberia como lidar se um dia viessem me visitar. Não há telefonemas nem em datas comemorativas. Todo mundo sabe onde todo mundo mora, mas nada acontece, nem uma feijoadinha para unir as tribos. E, assim, TÁ TUDO OK. Veja bem, a gente não brigou nem nada. Eu não odeio ninguém de lá. Até GOSTO deles. Não me fazem mal, nunca me maltrataram, nadica. A gente simplesmente não existe muito na vida do outro. Mas são família. Sempre rolou uma pressãozinha da parte da minha mãe de "Hoje é aniversário do fulano!" ou "Liga pra sua vó!" e coisas assim que, na minha cabeça, não fazem muito sentido. Quer dizer, eu nem espero que eles me liguem no meu aniversário! E eles não ligam mesmo, corretíssimo. Não ter motivação para interagir com essa parte da família não é vingança da minha parte, juro pra vocês, é só que... É como se estivessem falando: "Hoje é aniversário daquela sua coleguinha da 4º série, lembra dela? Liga pra ela" ou "Alguém no Japão deve estar fazendo aniversário hoje, descubra quem é e dê os parabéns".

Acontece que minha vó sofreu um acidente e teve que ficar de cama, um tanto incapacitada. Foi um baque pra família toda, essa vó é um amor de pessoa, sempre cuidou das próprias coisas, sustentou a própria casa e, agora, ficou com 0 condições de sequer levantar pra beber um copo d'água.

Realmente preocupado, mas meio hesitante, fui visitar, ofereci a ajuda que eu podia oferecer, me mostrei disponível. Eu via um futuro de neto e avó se aproximando no meio dessa crise. Ela cuidou de mim quando eu era criança. O laço foi embora depois que cresci, por conta da vida mesmo, mas agora eu estava ali por ela e ia dar tudo certo.

Faz uns 10 meses que não vejo minha vó. RYSOS. Tenho esparsas notícias e esqueci de continuar ajudando. Juro, gente, ESQUECI. 10 meses. Isso porque antes do acidente a gente estava ONZE MESES sem ver e falar um com o outro. Sabe aquelas amizades que simplesmente desaparecem do nada? A vida acontece, ninguém brigou, não houve um momento de ruptura, mas vai cada um para um lado e tá tudo ok? Foi assim. Sempre foi assim. Não sei se estou sendo claro. Eu gosto dela. Eu gosto muito. Sei que ela gosta de mim também, mas tanto eu quanto ela somos... reservados, digamos assim.

(Até comentei com algumas pessoas na comunidade hippie (<3) sobre esse dilema da Vó Acamada Vs você não ser obrigado e parece que todo mundo tem um probleminha ou outro similar a esse)

Com um pouco de vergonha, receio da hostilidade dos parentes e o poder básico da inércia, eu estava pensando em deixar pra lá. É muito difícil pra mim chegar lá e:

"Oi, gente! Oi, vó! Desculpa, não sei se contaram pra vocês, mas eu estava em coma durante esses 10 meses. Que coisa, né?"

"Oi, vó! Nossa, 10 meses. Eu estava na África ajudando crianças carentes numa missão global, nem sabia que ia voltar. O lugar é tão isolado, recebi 0 notícias. A senhora já está andando?"

Não sei com que cara se reverte uma situação dessas, apesar de saber, SIM, que comigo só rola honestidade. Eu inclusive ando numa busca minuciosa por Jesus (explico em breve) e dia desses estava lendo uma parábola que ele contou:

"Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.
Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;
Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.
Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?
Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim."
(Mateus 25:34-45)


ESTIVE ENFERMO E NÃO ME VISITASTES!!!

Gente. Este homem me bagunça todinho e não é pouco não. Percebam que eu tenho toda uma filosofia de vida, super funcional, daí ele vem, lança a bomba e inverte a coisa toda. Talvez vocês estejam pensando, Ah, manda esse cara ir cagar no mato, ele não manda em você!!! Não vou mentir, o primeiro impulso é esse mesmo. O segundo é OLHA AQUI, MEU QUERIDO, O SENHOR ME RESPEITE, mas, lá no fundo, eu sei que ele está certo e que o caminho dele é o melhor. APESAR DE. E nem é por medo do >>>FOGO ETERNO<<<, deste mal não padeço, mas rola toda uma confiança na pessoa que nunca me decepcionou, então eu sei que tenho que, pelo menos, tentar. Mas como exatamente você faz pra visitar uma pessoa enferma com a qual você não tem um relacionamento decente e meio que dez meses de dívida este Senhor não conta. É bem do jeitinho segura na mão de Deus e vai mesmo. Seja bem vindo à realidade do mundo crente :DDD

Jesus é minha avó esse tempo todo, quem diria, se outra pessoa me contasse eu nem ia acreditar

Então, gente, fica aqui registrado que darei um jeito de visitar casualmente esta mulher o quanto antes. PORQUE EU QUERO. E não me deixarei enganar novamente, só me darei por satisfeito quando fizermos tatuagens idênticas criar um laço real com essa pessoa que já gosto. Nem que eu tenha que ligar pra ela todos os dias, mandar carta, ~chamar no zap~, SEI LÁ.

Vó, me aguarde.

(Tô aceitando todas as dicas possíveis de como se comportar durante uma visita, que assuntos puxar com a sua avó há muito abandonada e como fugir se a coisa toda desandar)

***

UPDATE: Visitei!