Depois de ter padecido sobrevivido ao Trilha Radical, eu entrei numa vibe de consumir mais coisas cristãs. Sabe, livros, revistas, canais no Youtube ou sei lá o quê os crentes produziram enquanto eu não estava olhando. Apesar de também ser cristão, essa sempre foi uma lacuna nos meus hábitos, até porque o pouco que vi achei cafona e proselitista demais. 

Além disso, eu consumo muita ficção diariamente, com livros e séries de TV, mas sinto falta do aspecto religioso. Vocês já notaram que os personagens da TV raramente são praticantes de alguma religião? Se são, é pra fazer graça ou para ser um antagonista fanático. Protagonista de livro YA geralmente é ateu ou agnóstico. Na ficção cristã, a religião já é presente demais, geralmente são livros sobre alguma temática crente. Então, é tipo 8 ou 80. Eu não quero ler mais livros sobre religião, eu só queria personagens que também incorporassem esse aspecto que é tão presente no dia a dia. E não necessariamente apenas da religião cristã, acho que falta representatividade para todas as outras crenças (cadê os personagens mórmons? E os budistas? E as religiões africanas?).

Daí que eu estava nessa procura de cultura crente e topei com uma revista na banca. Eu olhei pra ela, ela olhou pra mim (sério, este Jesus da capa te encara) e eu soube imediatamente que teria que levar pra casa.



Gente, ok que esse lance com a Maria Madalena já é fofoca antiga e batida, mas COMO ASSIM MELHOR AMIGO DE JUDAS? Nossa, eu amo Judas. Na minha opinião, é o personagem mais injustiçado da Bíblia inteira. Além de ter um desfecho misterioso e oficialmente triste, ELE MERECIA UM FINAL FELIZ. As pessoas malham Judas na rua até hoje, gente. Comprei a revista só por causa disso, me agarrando a qualquer chance de redenção pro discípulo traidor.

***

Vocês sabem o que são apócrifos? Pra quem ainda está cursando Cultura Crente 101, eu explico: A Bíblia é formada por 66 livros (a dos católicos tem mais alguns), que são chamados de canônicos. Esses são os livros que a Igreja considera verdadeiros, digamos assim. PORÉM existem os livros apócrifos, que foram livros encontrados pelo mundo, que tratam do mesmo universo bíblico, mas, por razões diversas, foram rejeitados e são considerados falsos. Eu não faço ideia de como ter acesso aos apócrifos.

***

Eu cresci ouvindo as histórias da Bíblia, conhecendo os personagens, me identificando com uns (Tomé <3), tendo agonia de outros (Pedro </3), descobrindo as nuances deles, suspeitando de algumas histórias, amando os grandes momentos e os sambas de Jesus nos evangelhos... Mas, tipo, são 66 livros. . Eu já tenho vinte e poucos anos. O que são 66 livros na vida de uma pessoa que lê uns 30 por ano? NADA. E alguns ainda são curtinhos, coisa de ler numa sentada só. E outros possuem histórias repetidas! Com isso, você pode imaginar que chega uma hora em que o crente leitor fica com a sensação de já ter lido tudo que tinha pra ler e não há mais nada novo sob o sol. É tipo aquela sua série de livros favoritos, só que depois que o autor morre. 

Quando eu vi que a revista tratava de apócrifos, foi tipo UM NOVO MUNDO SE ABRINDO! UM SOPRO DE VIDA! NOVAS HISTÓRIAS! FANFICS DE JESUS! JUDAS E JESUS NUM BROMANCE! Gente, cagando se é verdadeiro ou falso, não é esse o ponto, entende? É material novo! Como ler uma revista com fofocas de 2 mil anos.

A revista não me decepcionou nem por um segundo. A começar por esse anúncio:

Que fascinante!!!

Fiquei fascinado com o apócrifo que conta da infância de Jesus. Ele ainda não sabia controlar seus "poderes divinos" e acabava vez ou outra matando um amiguinho que fazia bullying (Hahahahah), e todo mundo ficava "OLHA O QUE SEU FILHO FEZ, JOSÉ!!!". Mas ele também explodia cobras e salvava o dia tirando veneno das pessoas (Oi?). Assim, gente, UM DEUS CRIANÇA. Imagina que desgraçamento de cabeça ser pai disso, você não sabe quem realmente manda em casa. Praticamente um filme maravilhoso da Disney. As pessoas ficam fazendo filme de Minion tendo esse roteiro incrível dando sopa por aí.

O apócrifo de Judas, então, um primor. O próprio Jesus teria pedido a Judas para denunciá-lo, porque isso era necessário para que as profecias se cumprissem e tal! TCHAN-TCHAN-TCHAN!!! Daí Judas, PELO AMIGO, se queimou todo na história e fez o que fez. Acho improvável (Jesus nem voltou pra desmentir, poxa), mas valeu a pena.

 Best friends forever <3

Tem ainda um monte de história maluca que, sinceramente, eu teria inventado melhor e quero ver quem ia dizer que não era canônico. Inclusive, eu deveria escrever minhas próprias fanfics. A gente não sabe praticamente nada da vida da maioria dos personagens, dá muito espaço para cenas extras, curiosidades, romances proibidos, intrigas, comédia. Mais representatividade também. Não tem um adolescente com falas, um gay... Nossa, TINHA que ter um gay interagindo com Jesus, vocês concordam? Mas não tem. Só escrevendo fanfic mesmo.

***


MAS, FELIPE, COMO VOCÊ CONSEGUE ACHAR GRAÇA DISSO? Do quê eu não acho graça, gente? É A SUA FÉ! Mas minha fé está intacta. É entretenimento pra crente, a gente tem que saber aproveitar essas raras oportunidades.