Eu estava contando das agruras da vida de um nadador inexperiente e de como eu sou péssimo em bater os pés e girar os braços ao mesmo tempo, e um colega meu me disse que eu sou muito pessimista. Segundo ele, eu digo tanto que vai dar errado que acabo ~atraindo~ as coisas ruins e passando vergonha lá na piscina.

Bati o pé, teimei mesmo. É aquela velha história: eu não sou pessimista, eu sou realista. Eu me conheço. Eu sei que sou bom em várias coisas, mas ninguém é bom em tudo. Eu apenas reconheço que tem um monte de coisa que eu não sei fazer e, talvez, jamais saberei.

Daí que cheguei na aula de natação e estou acostumado a ter uma raia só pra mim. Os professores dividem as raias por níveis, em ordem crescente. Eu sou o único aluno que começou do zero, então a primeira raia, que eu chamo carinhosamente de Raia da Derrota, sempre foi só minha. Mas nesse dia tinha uma moça nela.

Professor mandou eu nadar até o meio da piscina e voltar, e eu só pensando "meu senhor, eu mal consegui girar os braços da última vez, como você quer que eu gire os braços, bata as pernas E respire agora?". Mas, né, me preparei, não adianta discutir com ele. Ele fala VAI, e a gente vai do jeito que não sabe. Só que a moça estava nadando ali na raia.

Eu tentei ir, mas travei umas duas vezes só de ver a moça indo e voltando. Eu não conseguia. Na minha cabeça, eu me vi nadando e batendo com a cabeça na dela. Ou então cruzando o caminho dela porque aparentemente eu só sei nadar em zigue-zague, ou seja, nenhuma direção lógica definida. Só vi o caos de esbarrar na pessoa várias vezes. Daí eu virei para o professor e "Ela vai ficar aqui?". E ele "Vai. Dá pra dividir a raia", e eu "MAS MEU SENHOR", e ele "Calma. Eu sei que você sempre pensa no pior caso, mas vai dar certo".

Gente. O cara me conhece há, sei lá, umas três aulas só. Como assim "Eu sei que você sempre pensa no pior caso". Eu realmente faço isso? TERIA EU ME DESCOBERTO PESSIMISTA?

Pensei muito a respeito e vi que não é bem isso. Por fora, parece ser pessimismo, mas eu sei o que rola aqui dentro: É um mecanismo de defesa quase que involuntário. Você junta mente de cocô feat não saber lidar com coisas desconhecidas e meu medo de humilhação pública, e isso dá a resposta.

Eu não acho realmente que vai dar tudo errado. Eu não acho de verdade que sou um fracasso total em todas as atividades do universo. Muito pelo contrário, como eu disse, eu sou bom em várias coisas. Mas tem coisas em que eu não sei se sou bom. Nadar, por exemplo. Eu nunca tinha tentado nadar antes. Eu não fazia ideia do que era preciso. Era uma coisa completamente desconhecida pra mim. Será que sou bom em nadar e não sei ainda? Ou será que eu sou péssimo? Vai que eu sou bom. PORÉM, pra garantir, eu já deixo todo mundo avisado: "Olha, sou um zero à esquerda, eu provavelmente vou ferrar com tudo". Eu não acho realmente que vou ser o pior dos piores, mas, se acontecer, eu já estou preparado, já tinha avisado.

Eu não sou o único. Quem lembra?

É o contrário de parar o baile e ficar babando. Eu morro só de pensar em me dispor a fazer uma atividade, estar todo mundo esperando a coisa toda dar certo e eu me atrapalhar e pagar um micão. Eu detesto gente rindo de mim. DETESTO. Então eu já dou meu jeito de baixar as expectativas das pessoas, mesmo sabendo que há grandes chances de eu ser naturalmente bom na coisa em questão. Por fora eu estou "Nunca fiz isso, não sei lidar, vai ser um desastre kkkk", mas por dentro eu fico "Ok, vou dar o meu melhor, não pode ser tão difícil assim". Geralmente, eu vou muito bem e as pessoas se surpreendem. Eu acabo muitas vezes no papel do azarão, aquele que ninguém dava nada e vence o jogo.

Não é exatamente falsa modéstia. É avisar para os outros que eu posso ser ruim. Acabou que não tive problema algum em dividir a raia, só os problemas de sempre de não saber respirar na hora certa e engolir muita água. Mais um dia normal na natação.